Miguel Albuquerque, Presidente do Governo Regional da Madeira, passou de suspeito a arguido em um caso de corrupção após buscas realizadas pela Polícia Judiciária na sede do executivo insular. O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Pedro Calado, e dois empresários também foram detidos e enfrentarão o primeiro interrogatório judicial na sexta-feira.

As buscas abrangeram a Câmara Municipal do Funchal, a residência de Miguel Albuquerque e departamentos do Governo Regional. As investigações envolvem suspeitas de corrupção, participação em negócios ilícitos, prevaricação e violações de regras comunitárias, relacionadas com a venda de uma propriedade de Miguel Albuquerque e contratos públicos.

A investigação teve início em 2019 e se desdobra em três inquéritos distintos, abrangendo suspeitas que remontam a 2015. Em comunicado, a Polícia Judiciária confirmou a detenção de três pessoas: o Presidente da Câmara do Funchal, Pedro Calado, e dois empresários do grupo de construção AFA (Avelino Farinha e Custódio Correia). Os empresários já se encontram em Lisboa, enquanto o autarca do Funchal deverá chegar à capital na quinta-feira. O interrogatório dos detidos ocorrerá no Tribunal Central de Investigação Criminal, em Lisboa, na sexta-feira.

Miguel Albuquerque declarou que não pretende renunciar ao cargo, afirmando que colaborará no esclarecimento dos fatos. Ele enfatizou que o fato de se tornar arguido não diminui seus direitos nem os direitos de outros titulares de cargos políticos. O Presidente do Governo Regional enfrenta acusações de favorecimento ao grupo AFA, uma empresa de construção que supostamente ganhou a maioria dos contratos na Madeira. A investigação também suspeita do envolvimento do grupo Savoy na corrupção dos suspeitos. Além disso, Pedro Calado, Presidente da Câmara do Funchal, é acusado de se beneficiar do patrocínio desses grupos empresariais para atuar como piloto de ralis.

Ao todo, cerca de 130 buscas foram realizadas na Madeira e em várias regiões do continente, envolvendo cerca de 300 inspetores e peritos.

Daniel dedica-se a explorar e analisar os complexos contextos sociopolíticos de Portugal e da Europa.