Portugal conquistou o oitavo lugar entre os 35 países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) no que diz respeito ao seu desempenho económico, de acordo com uma avaliação realizada pelo “The Economist“, uma prestigiada revista britânica de atualidades.

A avaliação da The Economist levou em consideração cinco indicadores-chave: inflação, PIB (Produto Interno Bruto), desempenho do mercado de ações e números de emprego.

Nesta classificação, Portugal superou vários países, incluindo a Finlândia, a Áustria, a Alemanha e o Reino Unido, que tiveram resultados menos favoráveis nesses indicadores económicos.

Analisando mais de perto o desempenho de Portugal, os preços centrais registaram um aumento de 3,5%, enquanto a inflação diminuiu 6,7%. O PIB do país registou uma taxa de crescimento de 1,4% durante o período de avaliação, e o número de empregos aumentou 0,9%. Além disso, o mercado de ações registou um aumento de 1,3% nos preços das ações.

O desempenho económico de Portugal esteve em linha com o da Espanha, com a Espanha a ter um desempenho superior em termos de emprego e mercado de ações, mas a ficar atrás em termos de inflação.

A classificação da The Economist, publicada em dezembro, observou que muitos anteciparam uma recessão global em 2023. Como resultado, os bancos centrais aumentaram as taxas de juros para combater a inflação. No entanto, este consenso revelou-se incorreto, uma vez que o PIB global provavelmente cresceu cerca de 3%. Os mercados de trabalho permaneceram resistentes, e as taxas de inflação começaram a diminuir, enquanto os mercados de capitais mostraram um aumento de 20% no desempenho.

A classificação de Portugal entre os principais desempenhos nesta avaliação económica destaca a sua estabilidade e indicadores económicos positivos em comparação com os seus homólogos da OCDE.

Daniel dedica-se a explorar e analisar os complexos contextos sociopolíticos de Portugal e da Europa.