Após enfrentar um processo de ciclogénese explosiva, a depressão Ciarán trará uma tempestade intensa no Golfo da Biscaia na quinta-feira, 2 de novembro, gerando ondas gigantescas e ventos com intensidade de furacão. Mas quais serão os impactos para o continente português?

O clima tem estado em destaque nas notícias, mas nesta semana estará ainda mais em evidência. Esta terça-feira (31), uma depressão, denominada Ciarán pelo Met Office, iniciou o seu percurso acelerado pelo Atlântico Norte, saindo da América do Norte via Nova Escócia e movendo-se rapidamente em direção ao Canal da Mancha, onde se posicionará na quinta-feira (2).

Durante a sua trajetória marítima, vai sofrer um processo de ciclogénese explosiva, transformando-se numa depressão acentuada e de grande impacto, resultando na maior tempestade deste outono, até o momento. Apesar de um impacto direto em Portugal continental não ser antecipado, a sua trajetória pelo mar Cantábrico/Golfo da Biscaia causará agitação marítima significativa na costa oeste portuguesa, principalmente a norte do Cabo Carvoeiro. Espera-se um temporal marítimo bem intenso, mais característico dos meses mais frios do que do início de novembro.

A região Norte e boa parte da região Centro (abrangendo vários distritos a norte das montanhas Montejunto-Estrela, como Aveiro e Coimbra) e, em particular, aquelas a oeste da Barreira de Condensação (Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real e Viseu) serão as mais atingidas pelos ventos intensos da Depressão Ciarán.

Também é esperada chuva intensa e persistente em diversas regiões, especialmente nos distritos mencionados. Chuva e vento afetarão outras partes do país, mas de forma menos intensa e frequente.

Além disso, uma queda significativa nas temperaturas é prevista para quinta (2) e sexta-feira, 3 de novembro, devido ao ar frio presente no núcleo de Ciarán. Paralelamente, a mistura em altitude do ar marítimo polar trazido por esta poderosa depressão com a precipitação poderá causar neve nas montanhas do extremo norte de Portugal e na Serra da Estrela, a uma altitude de cerca de 1000 metros.

Temporal marítimo severo a norte do Cabo Carvoeiro Se as previsões do nosso modelo de referência se concretizarem, quando a Depressão Ciarán estiver a sul das Ilhas Britânicas, a pressão no seu centro será cerca de 950 hPa. O gradiente de pressão será tão elevado sobre o Golfo da Biscaia que ventos com intensidade de furacão serão gerados, com rajadas de até 150 km/h nos principais promontórios desta costa.

E, em Portugal continental, entre o final da tarde de quarta-feira, 1 de novembro, e durante a quinta-feira, dia 2, espera-se vento moderado a forte de Oeste-Sudoeste, com rajadas até 80 km/h na costa a norte do Cabo Carvoeiro e até 100 km/h nas terras altas do Norte e Centro.

O estado do mar após a passagem da depressão deteriorar-se-á consideravelmente, com ondas de noroeste a alcançar alturas de 7-8 metros na costa a norte do Cabo Mondego, podendo atingir máximos de 14/15 metros.

Apesar de se prever uma passagem breve e indireta da Depressão Ciarán por Portugal continental, a melhoria das condições marítimas e a diminuição dos ventos serão de curta duração, pois uma segunda depressão (ainda sem nome), também profunda e de grande impacto, seguirá os passos de Ciarán, com um intervalo de apenas 36 horas.

Prevê-se que trará, novamente, um intenso temporal marítimo e ventos, além dos habituais elementos climáticos – como chuva – nas mesmas regiões de Portugal continental, durante o próximo fim de semana, o primeiro de novembro.

Alertas vermelhos do IPMA, sem negligenciar os laranjas e amarelos O IPMA emitiu alertas amarelos para precipitação e vento para quarta-feira, 1 de novembro – o dia em que os impactos da Depressão Ciarán começarão a ser sentidos – no Minho, Douro Litoral, distritos de Vila Real e Viseu e regiões de Aveiro e Coimbra. Adicionalmente, um alerta amarelo para forte agitação marítima foi ativado para os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro e Coimbra.

À medida que a tempestade Ciarán se aproxima de Portugal continental, da Galiza e do restante Norte de Espanha, novos alertas meteorológicos serão ativados. Para quinta-feira (2), o alerta amarelo por precipitação e vento estender-se-á para leste e sul, incluindo distritos como Bragança, Leiria e Santarém, entre outros.

Diversos alertas serão elevados para laranja devido à agitação marítima (Lisboa, Setúbal e Faro, por exemplo) e alguns para vermelho (entre Viana do Castelo e Coimbra) por fenómenos costeiros causados pelo temporal marítimo severo e pelos ventos intensos. Aqui na Meteored Portugal, continuaremos a acompanhar esta situação meteorológica adversa e a atualizar constantemente todas as informações sobre as condições climáticas.

Daniel dedica-se a explorar e analisar os complexos contextos sociopolíticos de Portugal e da Europa.