Estamos à porta do outono climatológico, um período marcado por oscilações significativas no tempo. Em setembro, Portugal vive uma transição de estações, que pode traduzir-se em calor persistente, especialmente no interior e no Algarve, ou na chegada das primeiras depressões atlânticas.

O provérbio popular diz «ou seca as fontes, ou leva as pontes», e não poderia ser mais apropriado para descrever as incertezas climáticas deste mês. Em alguns anos, setembro torna-se um palco de chuvas torrenciais e inundações, como sucedeu em 2021. Em contrapartida, noutros anos, a estação mais quente do ano parece estender-se, agravando cenários de seca.

Condições atmosféricas variáveis

A menor presença do anticiclone, tradicionalmente robusto no verão, e a maior mobilidade dos centros de ação meteorológica permitem a chegada de depressões atlânticas e gotas frias em altitude. Estes fenómenos, embora isolados, têm o potencial de causar instabilidades significativas e até eventos climáticos extremos.

O termómetro e o calendário

As regiões do interior de Portugal continental podem esperar uma descida térmica da ordem dos 3 a 4 ºC, em relação a agosto. Já nas regiões litorais e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, essa descida é atenuada pelo efeito termorregulador do oceano.

Os modelos de previsão (ECMWF) indicam uma tendência para temperaturas acima da média em quase todo o território nacional. Entre 11 e 18 de setembro, em particular, espera-se uma anomalia térmica positiva que poderá fazer subir o mercúrio entre 1 ºC e 3 ºC acima da média, em diversas regiões.

Um setembro incerto quanto à precipitação

Elaborar previsões meteorológicas para setembro é sempre um exercício complexo, sobretudo em relação à chuva. Os primeiros 11 dias do mês deverão registar precipitação acima da média na maioria do território continental e na Madeira, mas com menor probabilidade nos Açores.

A partir do dia 11, as incertezas aumentam. Preveem-se níveis inferiores de chuva na faixa costeira desde Viana do Castelo até ao Algarve e nos Açores. Para a Madeira, antecipam-se valores até 10 mm acima do habitual.

Em resumo

Setembro será um mês de contrastes, oscilando entre condições mais quentes e húmidas. Por enquanto, os modelos apontam para temperaturas acima da média e a possibilidade de precipitação também acima da média em várias regiões. Portanto, se está em Portugal, prepare-se para um setembro em que tudo pode acontecer.

Daniel dedica-se a explorar e analisar os complexos contextos sociopolíticos de Portugal e da Europa.